terça-feira, 8 de janeiro de 2013

HORÁCIO DE MATOS


HORÁCIO DE MATOS
 
 
 
A história  tem  heróis e contra-herois, homens do mal e homens do bem. Horácio de Matos foi um lutador, defendeu seus princípios, fez  parte da história.
***
Horáio Queirós de Matos, mais conhecido como Horácio de Matos, político e coronel do sertão, chefe de uma verdadeiro exército de jagunços, nasceu na Chapada Velha de Brotas de Macaúbas, no dia 18 de março de 1882.
Aos 15 anos de idade  demonstrou  sua  bravura quando a fazenda de seus pais foi invadida por uma patrulha da polícia e o comandante,  tenente Policarpo, exigiu que ele revelasse onde estavam os diamantes e seus familiares.  Horácio reagiu e negou-se a falar.
Inicialmente, o jovem Horácio morou na cidade de Morro do Chapeu, apadrinhado pelo Coronel Dias Coelho. Alí se estabeleceu como comerciante, até que seu padrinho comprou para ele uma patente de tenente-coronel da Guarda Nacional. Com  esta patente iniciou sua liderança na região. Herdou o comando da familia e, após longo enfrentamento com adversários, transformou-se em senhor absoluto da Chapada Diamentina.  
A “Chapada “  era uma zona  rica de diamentes e habitada por forasteiros.  Tinha em Horácio de Matos um lider que  desafiava o governo e tratava de igual para igual autoridades e  governantes. Ele e seus comandados obedeciam cegamente os seguintes princípios:
 
“Não humilhar ninguém, mas também nunca se deixar humilhar por quem quer que seja:
Não roubar jamais, sejam quais forem as circunstâncias, nem permitir que alguém roube e fique impune;
Ser leal com os parentes e amigos, protegendo-os sempre;
Ser leal com os inimigos, respeitando-os em tempos de paz e enfrenando-os em tempos de guerra;
Não provocar, nem agridir, mas se for ofendido, colocar a honra acima de tudo e reagir, porque de nada adianta viver sem a dignidade”.
 
Defendendo  estes postulados, Horácio comandou um exército de seguidores. Fez  justiça com as próprias mãos, desafiou o poder constituído, derrotou a Coluna Prestes e atacou a vila de Campestre, vencendo uma batalha que durou  42 dias. Cercou o povoado e enfrentou seus defensores (cerca de 200 homens, dentre os quais 50 soldados da polícia baina). Horácio manteve o cerco e, ao cabo de mês e meio o comandante e seus comandados abandonaram  a cidade e fugiram.
Muitas outras lutas enfrentou Horácio, no comando de seus jagunços. Duas vezes combateu as tropas da polícia  e, com o apoio de outros coronéis, conquistou Lençóis que se entregou sem disparar um só tiro e o fez seu Intendente.
Sua coragem não conhecia limites. Tendo conquistad Lençois, ameaçou invadir Salvador.
Vitoriosa a Revolução de 1930, os detentores do poder propuzeram a deposião das armas e o fim dos conflitos. Horácio de Matos, apesar de tudo, era  um defensor da paz  no Sertão. Motivo por este desejo, aceitou   a proposta. A Comissão de Desarmamento foi ao enconro de Horácio, em Lençois, onde foi recebida  de modo amistoso.
A Revolução, todavia, tão logo desarmou o sertão, mandou prender Horácio de Matos que foi feito prisioneiro, no dia 30 de novembro de 1930.
Conduzido a Salvador, é solto condicionalmente e na noite de 15 de maio de 1931, saindo  para  passear com a filha de seis anos de idade, foi morto pelo agente policial Vicente Dias dos Santos que o alvejou com três tiros pelas costas.
Assim morreu  Horácio de Matos, o maior Coronel da Bahia.
 
FONTE: Wikipédia, a enciclopédia livre
 
       
 CASA DA CULTURA, LENÇOIS
PRAÇA HORÁCIO DE MATOS, LENÇOIS
 
 
 
 

 
 
 
 
 
 
 
 
 

6 comentários:

  1. sou bisneta dele.Sou neta da filha dele Noemia de Queiroz Matos Alves.Filha dw Zilda de Matos Alves Pimenta.Tenho muito orgulho de ser sua bisneta.

    ResponderExcluir
  2. também sou bisneta dele. minha mae é filha de Herenita barbosa matos
    minha mãe é Marli da Silva Rosa

    ResponderExcluir
  3. também sou bisneta dele. minha mae é filha de Herenita barbosa matos
    minha mãe é Marli da Silva Rosa

    ResponderExcluir