sábado, 26 de janeiro de 2013

CÂNDIDO DA FONSECA GALVÃO (DOM OBA II)


                     
                     CÂNDIDO DA FONSECA GALVÃO,
                    PRÍNCIPE OBA II
                        http://www.google.com.br/imgres?num=10&hl=pt-






Cândido da Fonseca Galvão, conhecido como Oba II dÀfrica, nasceu em Lençóis, em 1845.
Oba, na língua Iorubá significa “rei”.  Seu avô, Aláàfin Abiodum, foi o último soberano do Reino de Oyo, hoje incorporado à Nigéria. Quando irrompeu a guerra civil em Oyo, a família real foi escravizada e o pai de Oba II, Benvindo da Fonseca Galvão, veio para  o Brasil, em busca dos diamantes da Chapada Diamantina. Consta que por ocasião do nascimento de seu filho, Cândido da Fonseca Galvão, os escravos das Lavras Diamantinas se reuniram e compraram sua carta de alforria.
Pouco sabemos da infância de Oba II.  Diz a tradição que ele aprendeu a ler e escrever com  seu pai.
Ao chegar na idade adulta, alistou-se voluntariamente para lutar na Guerra do Paraguai (1865-1870), onde serviu como alferes da 3ª Companhia de Zuavos Baianos. Ferido na mão direita, retirou-se da ativa no dia 31 de agosto de 1861. Buscou o reconhecimento de seus feitos e valimentos, dirigindo-se  inclusive  ao Imperador, que o atendeu concedendo a honra de oficial do Exército Brasileiro. Não satisfeito, pleiteou uma  pensão, o que lhe foi concedido no ano seguinte.
Terminada a Guerra, fixou-se no Rio de Janeiro, onde se tornou uma figura folclórica, reverenciado como um príncipe, por escravos e homens livres de cor que viviam nos subúrbios da capital do Império.
“Negro, alto, forte e elegante, trajando fraque, cartola e luvas, trazendo à mão bengala e guarda chuva, ostentando sobre o nariz um pince-nêz de ouro com lentes azuis, o principe Dom Obá II d´Africa era o primeiro a chegar às audiências públicas que o imperador Pedro II concedia aos sábados, na Quinta da Boa Vista”. Envergando uniforme de alferes,  fraque, ou casaca, visitava o Paço Imperial, onde era recebido por D. Pedro II como se fosse um dignatário estrangeiro, que falava  crioulo mesclado com palavras  do  latim  e  do iorubá.
Dom Oba II participava do debate intelectual e político com pensamento próprio e definido.  Defendia a lavoura de exportação como base econômica do Império,  combatia o trabalho escravista, e procurava o apoio de D. Pedro II para seus projetos. Tentou até ser nomeado embaixador do Brasil na Costa d`Àfrica (Àfrica Ocidental).
Ridicularizado por uns, reverenciado por outros, D. Obá II cultivava ideias  avançadas para  sua época: defendia a igualdade das raças, a abolição dos escravos,  a justiça social, a monarquia, e combatia os maus tratos no Exército, o uso da chibata e a Evolução das Espécies. Seus adeptos davam o dinheiro necessário para a difusão dessas ideias, publicadas em folhetos que eram distribuidos nas esquinas, quitandas e mercados. Oba II escreveu artigos nos jornais da Corte, divulgando  seu modo de pensar:  daí o motivo de ser  considerado pioneiro do movimento da negritude no Brasil.
Era  amigo particular de D. Pedro II que o recebia em audiência particular. Dentre os pertences da Princesa Isabel foi encontrado um retrato de Oba II, o que demonstra  o grau de seu relecinamento com a família imperial.
Com a chegada da Abolição, Oba II perdeu a capacidade de arrecadar impostos de seus súditos e, com a Proclamação da República, foi alvo de tenaz perseguição por parte dos republicanos. Triste e esquecido, faleceu no dia 8 de julho de 1890, em sua casa na Rua Barão de São Félix.
Sua morte foi noticiada na primeira página dos jornais, todos eles ressaltando a enorme popularidade do Príncipe Dom Oba, cuja magestade “ninguém se atraveu jamais a contestar”. D. Obá foi enredo da Escola de Samba Estação da Mangueira, tema de filme nas telas do cinema  e teve sua biografia escrita por  Eduardo Silva publicou, autor do livro "D. Oba II, Príncipe das Ruas".
 
FONTES BIBLIOGRÁFICAS:
1)Blog do Gutemberg (disponível em http://blogdogutemberg.blogspot.com.br/2006/07/dom-ob-ii-dfrica.html). Acesso em 26 de janeiro de 2013.
2)Yahoo Respostas- Dom Obá- Príncipe do Povo, heroi dos desvalidos das ruas desta Pequena África (disponível em http://br.answers.yahoo.com/question/indexqid=20080113054522AAAAYuOV) Acesso em 26 de janeiro de 2013.
3)Wikipédia, a enciclopédia livre (disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%A2ndido_da_Fonseca_Galv%C3%A3o) Acesso em 26 de janeiro de 2013.
 

DOM OBA II, PRINCIPE DAS RUAS
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário