terça-feira, 13 de novembro de 2012

LUIZ DE AGUIAR COSTA PINTO


LUIZ DE AGUIAR COSTA PINTO




 

Luiz de Aguiar Costa Pinto, sociólogo brasileiro de renome internacional, nasceu em Salvador no dia 6 de fevereiro de 1920, sendo seu pai José de Aguiar Costa Pinto, médico, professor universitário e deputado estadual.
Atuou nos anos 1950 e 1960, nas áreas de sociologia rural, desenvolvimento sócio-econômico e relações raciais.
Seus trabalhos são considerados uma das bases do pensamento social brasileiro, contemporâneo de Victor Nunes Leal, Alberto Guerreiro Ramos, Florestan Fernandes e dos baianos Afrânio Peixoto e Anísio Teixeira.
De sua  lavra destacamos “Lutas de Famílas no Brasil” (1949), “O Negro no Rio de Janeiro” (1953) e “Sociologia e Desenvolvimento” (1963).

Fez sua formação básica no Ginásio São Salvador e, a partir de 1936, com 16 anos de idade, abandonou o sonho de ser médico e se dedicou ao estudo dos problemas sociais.
No ano seguinte, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde deu início à sua formação universitária, se envolveu com o movimento estudantil comunista, foi preso por oito meses, e fortaleceu seu pensamento social.
Fez o bacharelado em Ciências Sociais na Faculdade Nacional de Filosofia (atual Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade do Brasil), completou o Doutorado e em seguida partiu para a Livre Docência em Sociologia.
Ao completar sua carreira acadêmica, no ano de 1947, publicou o livro “Lutas de Famílias no Brasil”, o qual obteve excepcional repercussão entre os intelectuais do Rio de Janeiro.

Onze anos depois, deu à luz,  em colaboração com Herbert Blumer (da Universidade de Coimbra), “Recôncavo: Laboratório de uma Experiência Humana”.
Estes  trabalhos formataram seu conceito de marginalidade estrutural, “negando a figura do brasileiro como agente portador dos males sociais e afirmando o caráter estrutural do estancamento econômico” (Villas Bôas, 2006).

Assim credenciado, assumiu a presidência do Centro Latino-Americano de Pesquisas em Ciências Sociais (CLAPCS), com sede no Rio de Janeiro e ramificação em Santiago do Chile.
 Na década de 1950, Costa Pinto participou da investigação a cargo da UNESCO sobre realações sociais e assinou, com outros sociólogos, a declaração  “A Questão da Raça”.
Este último trabalho impulsionou sua trajetória no campo das ciências sociais em nosso país.
Em 1957, tornou-se presidente da Associação Brasileira de Sociologia e, a  partir de então projetou-se no cenário internacional. Publicou seu primeiro livro em língua estrangeira (“Problemes démographiques contemporains”), em parceria com Jacques Lambert.
Em 1958, publicou o artigo “Economic Development, Social Change and Population in Brazil”, em colaboração com Waldemiro Bazzanella. Depois, produziu  inúmeros artigos e livros em língua espanhola, na Argentina, no México e na Colômbia.
Em 1876, tornou-se professor de Sociologia na Universidade de Waterloo, no Canadá, ali permanecendo até sua aposentadoria, no ano de 1985.
Em 1989, recebeu o título de Professor Emérito do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade do Brasil.
Luiz Aguiar Costa Pinto faleceu no dia 1º de novembro e 1989, em Waterloo, Canadá.

===========================================

SUA EXTENSA BIBLIOGRAFIA CONTEMPLA OS SEGUINTES TÍTULOS:

1943 –"Quinta Coluna e integralismo brasileiro". Rio de Janeiro: Liga da Defesa Nacional.
1944 – "O padrão de vida do comerciário no Distrito Federal". Rio de Janeiro: Instituto de Economia da Fundação Mauá

1944 – "Problèmes démographiques contemporains". I. Les Faits. Les Publications Savantes de L’École Libre dês Hautes Études au Brésil, com Jacques Lambert. Rio de Janeiro: Atlântica Editora.
1949 –" Lutas de famílias no Brasil". São Paulo: Companhia Editora Nacional, coleção Brasiliana vol. 263.

1950 – "Uma pesquisa sobre a vida social no estado da Bahia", com Charles Wagley e Thales de Azevedo. Bahia: Secretaria de Educação (Publicações n. 11).
1952 –" Arthur Ramos". Rio de Janeiro: Editora do Ministério da Educação e Saúde (organizador).

1952 – "Migrações internas no Brasil", com J. Sá. Rio de Janeiro: Editora do Instituto de Economia da Fundação Mauá.

1952 – "Análise das profissões comerciais," com R. N. Danneman e M. M. Carvalho. Rio de Janeiro: Senac.
1953 – "O negro no Rio de Janeiro: relações de raça numa sociedade em mudança". São Paulo: Companhia Editora Nacional, coleção Brasiliana.

1954 – "O balconista: estudo sociológico de uma ocupação". Rio de Janeiro, Senac.
1954 –" A população comerciaria". Rio de Janeiro: Senac.

1955 –" As ciências sociais no Brasil", com Edison Carneiro. Rio de Janeiro: Capes.
1956 –" Comércio metropolitano no Distrito Federal", com T. P. Accioly Borges. Rio de Janeiro: Senac.

1958 – "Recôncavo: laboratório de uma experiência humana". Rio de Janeiro: Centro Latino-Americano de Pesquisas em Ciências Sociais, Publicações n. 1.
1960 – "Resistências à mudança: fatores que impedem ou dificultam o desenvolvimento econômico." Rio de Janeiro: Centro Latino-Americano de Pesquisas em Ciências Sociais, *Publicações n. 10 (organizador).
1963 – "Sociologia e desenvolvimento: temas e problemas do nosso tempo". Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
1963 – "Textos de sociologia: problemas de abordagem interdisciplinar", com Maurício Vinhas de Queiroz e W. Bazzanella (orgs.). Rio de Janeiro: Ed. Instituto de Ciências Sociais.

1963 – "La sociologia del cambio y el cambio de la sociologia". Buenos Aires: Eudeba Ed.
1964 – "Estructura de clases y cambio social". Buenos Aires: Editorial Paidos.

1967 – "Teoria do desenvolvimento", com W. Bazzanella (orgs.). Rio de Janeiro: Zahar.
1967 – "Desenvolvimento econômico e transição social". Rio de Janeiro: Ed. Instituto de Ciências Sociais.

1969 – "Processos e implicações do desenvolvimento", com W. Bazzanella (orgs.). Rio de Janeiro: Zahar.
1969 – "Nacionalismo y militarismo". México: Ed. Siglo XXI.

1970 – "Estúdios de sociologia del desarollo". Medellín, Colômbia: Ed. Universidad de Antioquia.
1970 – "Transición social en Colombia". Bogotá, Colômbia: CID, Ed. Universidad Nacional.

1971 –" Voto y cambio". Bogotá, Colômbia: Ed. Tercer Mondo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário