quinta-feira, 14 de agosto de 2014

MESTRE CAIÇARA


MESTRE  CAIÇARA
rd=ssl#q=mestres+cai%C3%A7ara%2Bbiografia


Antônio ConceIção Morais, conhecido como Mestre Caiçara, nasceu em Salvador, em 1923.
Caiçara marcou época na história capoeira. Era provocante, alegre, atrevido e simpático, Exibia uma capoeira bonita de se ver. Diziam os entendidos que ele era “uma das lendas vivas da capoeira” e que sua história “mais parecia ter sido tirada de livros de ficção”.
No Pelourinho de sua época, ele “ditava as regras num território de prostitutas e cafetões, de traficantes e malandros”. Todos tinham de pedir a sua benção.
Em um disco famoso, gravou os diversos toques de berimbau, as ladainhas e os sambas de roda. Cantador de primeira qualidade, contador de casos e de histórias, tinha sempre uma reza para oferecer aos seus admiradores e camaradas.
Muito conhecido e festejado nas Festas de Largo, sempre presente em qualquer evento popular, exibia sua camisa de cores vermelho e verde, e promovia sua Academia de Angola, dos Irmãos Unidos do Mestre Caiçaras, (nome também de um disco fonográfico gravado em São Paulo).
Ardente defensor das tradições africanas, postava-se todas as tardes no Terreiro de Jesus “vendendo seu peixe e gingando”. Ele era  “o dono da capoeira de rua”, com sua impressionante voz, grave e profunda”.  “O vozeirão de Caiçara ressoava como o dos possantes cantores de ópera; tanto pelo volume, quanto pela afinação, e também por um natural e sadio exibicionismo.  Na música brasileira, seria o equivalente de um Orlando Silva – “o cantor das multidões” -, um Cauby Peixoto, ou um Nelson Gonçalves, que dominaram o cenário da música e do rádio com seus vozeirões”,
“Com muito orgulho e cheio de presepadas, contando lorotas, levantava a camisa e exibia a marca dos tiros, facadas e navalhadas, cada uma delas com sua história contada com muita prosopopeia, toda a vez que o convidavam para tomar cerveja gelada, “acompanhada de cachaça e tira gosto”.
Ricardo Cangaceiro relata seu encontro com Mestre Caiçara, dizendo: “Quando o conheci – eu, um iniciante de 23 anos de idade; ele, um homem maduro e mestre renomado de 46 anos -, após inúmeras cervejas super-geladas (algo que não é sempre fácil  de achar em Salvador) e tiragostos variados, estávamos  sentados numa área de má reputação, do lado  de fora de um botequim pé-sujo – ele, sentado, balançando para a frente e para trás como se numa cadeira-de-balanço; eu, num banquinho -, quando subitamente uma patrulhinha da polícia brecou no meio da rua e dela desceu um sargento tamanho geladeira que, a passos largos, se encaminhou cheio de decisão na nossa direção. trinquei.  Fiquei mais gelado que a meia dúzia de louras que havíamos consumido. É que havia um pequeno peoblema. Aliás pequeno não: Mestre Caiçara segurava displicentemente, na mão repleta de anéis, um charuto de fazer inveja a qualquer charuto cubano de Fidel Castro.  Rapidamente, por entre os vapores alcoólicos – tínhamos temperado a cerveja com algumas bem servidas doses de cachaça -, e o fumacê da Cannabis sativa, vislumbrei meu futuro próximo: ver o sol nascer quadrado por entre as grades de uma janelinha da penitenciária soteropolitana. Olhei rápido para mestre Caiçara e me preparei para o que desse e viesse.  Será que ele, com seu passado de rufião, ia dar testa aos homens da lei?  Ele continuava impávido no seu balanço na cadeira do bar, e a única atitude radical que tomou foi dar mais um profundo trago no charo, empestando mais ainda o odorífico do ambiente. O sargento chegou, parou em frente a Caiçaras, tocou um joelho no chão, traçou uns pontos riscados no chão, osculou a mão do mestre e pediu:- Sua benção, meu pai. Caiçara, bateu a cinza do charuto e traçou, com a mesma mão enfumaçada, alguns sinais cabalísticos sobre a cabeça do sargento enquanto murmurava algumas frases em nagô. O sargento levantou-se, agradeceu, entrou na patrulhinha, e partiu.”
Mestre Caiçaras faleceu em 26 de agosto de 1997.





5 comentários:

  1. esse mestre é demais.
    eu gostei muito do seu trabalho.
    ele se parece um pouco com o meu mestre.<3<3<3

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Era o meu avô ele morreu em 1924 corrigiram

    ResponderExcluir
  4. Conheci mestre Caiçara em 1978 ele morava no conjunto Bahia na santa Mônica, grande mestre, nunca esqueci

    ResponderExcluir
  5. eu precisava saber mais sobre a academia dele, por exemplo a história de como foi criada, qual era o nome do grupo de capoeira
    alguem sabe?

    ResponderExcluir